Óleo para engrenagem: como escolher

O óleo para engrenagem é um tipo de fluido lubrificante que tem como objetivo diminuir a fricção e o desgaste nas superfícies dos dentes de engrenagens e caixas de câmbio. Além disso, o óleo de engrenagem funciona como um fluido refrigerante da máquina em operação, também protegendo o mecanismo da corrosão.

Geralmente, as engrenagens industriais são compostas por algum material metálico ferroso. Ou seja, estão sujeitas à corrosão. Além da degradação gerada pela oxidação dos compostos metálicos, o desgaste causado pela própria atividade do mecanismo mostra a importância do óleo para engrenagem ao longo da produção.

Mas antes de investir em algum produto, é importante entender qual o tipo de óleo de engrenagem ideal. Escolhendo o óleo de engrenagem incorreto, você pode acabar diminuindo o tempo útil da peça, aumentando sua oxidação e também os custos de manutenção.  Por isso, a Braniva preparou esse artigo com algumas dicas para escolher bem o óleo para suas engrenagens. Confira!

Avalie qual o tipo de engrenagem receberá o óleo

Existem diferentes tipos de engrenagens disponíveis no mercado atualmente. Os mais comuns são:

  • Cilíndrica de dentes helicoidais;
  • Cônica de dentes helicoidais;
  • Cilíndrica de dentes retos;
  • Cônica de dentes retos;
  • Cônica de dentes hipóides;
  • Cônica de dentes espirais;
  • Parafuso ou rosca sem fim;
  • Planetárias;
  • Cremalheira.

O tamanho da caixa de engrenagens é fundamental para poder determinar o volume de óleo para engrenagem que será utilizado. Além disso, cada tipo de engrenagem possui uma maneira de lubrificação diferente.

Por esse motivo, é interessante pesquisar bem sobre o modo a ser utilizado no início da tarefa. Pois assim você evita acidentes e desperdícios com óleos que podem não funcionar bem para seu caso.

Como escolher o óleo para engrenagem?

Na hora de escolher qual o melhor lubrificante para a sua engrenagem, você precisa analisar alguns fatores, como: 

  • Pacote de aditivos: determina a categoria geral do lubrificante e age sobre características importantes das condições de operação;
  • Tipo de óleo base: decidido pelas condições operacionais e modelos de engrenagens.
  • Viscosidade: o componente mais importante de um óleo lubrificante;
  • Capacidade de suportar extrema pressão (EP);
  • Compatibilidade com materiais selantes;
  • Proteção contra corrosão e ferrugem;
  • Estabilidade térmica e oxidativa.

A importância da viscosidade na hora de escolher o óleo para engrenagem

É extremamente importante analisar a viscosidade na hora de escolher o óleo para engrenagem. É uma tarefa simples, já que a viscosidade recomendada consta no manual de instruções da máquina. 

Baixas viscosidades são indicadas para operações que requerem alta velocidade, baixo carregamento e quando os dentes das engrenagens estão bem desgastados. Esse tipo de óleo oferece uma camada fina de protetor, pouca fricção e são bons fluidos refrigerantes. Já os óleos de alta viscosidade são recomendados em situações de baixa velocidade de operação, engrenagens muito carregadas e com um acabamento mais grosso na parte do dente. Óleos com alto índice de viscosidade possuem um filme espesso, possui bastante resistência ao desgaste e pouco arranhamento mesmo sob alta pressão (EP).

O pacote de aditivos se divide em três tipos: anti-corrosivo, anti-risco (EP) e compostos. O uso do anticorrosivo é indicado em situações de alta velocidade, cargas leves e com carregamento uniforme (sem choques de carga). Por outro lado, os aditivos EP são mais usados para cargas pesadas, velocidades baixas e choques de carregamento. Além do mais, os pacotes de aditivos compostos contêm ácido graxo, o que faz com que a capacidade de lubrificação seja maior, e por esse motivo, geralmente são mais utilizados em engrenagens do tipo rosca sem fim. 

É comum que a capacidade protetiva dos aditivos se minimize com o tempo e uso. Por isso, fique atento com o tempo de uso do óleo para engrenagem e faça a manutenção em intervalos indicados para evitar desgastes, acidentes de trabalho, prejuízos e contaminação do óleo. 

Principais características físico-químicas do óleo de engrenagem:

As principais características físico-químicas encontradas no óleo de engrenagem, são:

Verifique qual a base do óleo para engrenagem

Do mesmo modo que os lubrificantes industriais, o óleo para engrenagem é classificado de acordo com seu óleo base, podendo ser mineral ou sintético. O óleo para engrenagem de base mineral oferece um bom desempenho em grande parte das aplicações. Geralmente, os óleos minerais possuem maiores coeficientes de pressão-viscosidade do que os óleos sintéticos, o que gera uma camada protetiva mais espessa em condições operacionais específicas. Porém, muitos óleos de base sintética possuem uma resistência maior à oxidação e degradação, e também podem ter uma capacidade maior de lubrificação, o que consequentemente reduz a fricção em partes móveis das engrenagens. 

Nesse caso, o óleo para engrenagem precisa ser escolhido seguindo as recomendações do fabricante. Para garantir segurança e o bom desempenho operacional das máquinas, é fundamental o uso de óleo para engrenagem com as propriedades corretas, principalmente de viscosidade.

 



Deixe uma resposta