Óleo protetivo qual utilizar?

Os óleos protetivos para máquinas rotativas reduzem o atrito e o desgaste, dissipam o calor, protegem as superfícies, protegem os contaminantes estranhos e removem as partículas de desgaste. Os óleos protetivos comumente usados ​​se enquadram em duas categorias principais: óleos minerais (à base de petróleo) e óleos sintéticos.

Os óleos minerais são produzidos pelo refino do petróleo bruto. Eles geralmente contêm vestígios de algumas substâncias indesejadas. Em contraste, os óleos sintéticos são projetados para que suas propriedades possam ser controladas de forma mais rígida. 

Óleos protetivos incluem hidrocarbonetos sintetizados (como polialfaolefina ou PAO), ésteres orgânicos (como diésteres e ésteres de poliol), poliglicóis, polialquilenoglicol (PAG), ésteres de fosfato e lubrificantes de silicone.

Os óleos minerais são usados ​​com mais frequência em aplicações de indústrias de processos químicos (CPI), mas a importância e o uso de óleos sintéticos têm aumentado constantemente nos últimos anos. Em geral, eles oferecem desempenho superior em termos de maior estabilidade à oxidação, maior resistência à corrosão e capacidade de suportar temperaturas mais altas e mais baixas.

Alguns maquinários que o óleo protetivo é essencial

Compressores e bombas

Alguns compressores operam com temperaturas de descarga de gás superiores a 160°C. Isso exige um óleo protetivo que tenha boas propriedades de oxidação e estabilidade térmica. 

Enquanto isso, em alguns compressores ou bombas, o lubrificante está em contato com a umidade (do fluido manuseado), portanto, o lubrificante deve ter boa demulsibilidade (isto é, resistência à emulsificação ou boa resistência à mistura com água).

Hoje, a grande maioria dos compressores e bombas é melhor servida por óleos protetivos de qualidade. No entanto, existem muitos tipos diferentes de compressores e bombas, e cada fabricante provavelmente recomendará apenas aqueles lubrificantes que foram usados ​​com sucesso anteriormente. Ocasionalmente, os óleos protetivos do compressor devem ser formulados para um desempenho excepcional em serviços severos.

Compressores alternativos e de parafuso

Durante a operação, os óleos protetivos usados ​​nos compressores de parafuso e nos cilindros dos compressores alternativos estão em contato direto com o gás comprimido. 

Com óleos minerais convencionais, esse gás pode ser dissolvido no óleo. Além disso, qualquer óleo que se dissolva no gás pode ser levado embora, esgotando o filme lubrificante. Isso pode resultar em arranhões nos componentes da máquina e maiores taxas de desgaste. Lubrificantes sintéticos especialmente formulados geralmente apresentam melhor desempenho nesses casos.

Ao selecionar um óleo protetivo para compressores alternativos ou de parafuso, a baixa solubilidade no gás comprimido deve ser um dos principais critérios de seleção. Os lubrificantes selecionados também devem ter índices de viscosidade relativamente altos, perda mínima de viscosidade, boa estabilidade térmica em uma faixa de temperatura estendida, excelente proteção contra desgaste, excelente lubricidade. Eles não devem ser tóxicos para os catalisadores, uma vez que parte do óleo protetivo será transferido para o gás.

Para escolher o óleo protetivo, determine para que ele vai ser utilizado

Para compressores alternativos ou de parafuso, os óleos protetivos que atendem a todos esses critérios são principalmente lubrificantes sintéticos formulados com base PAG. 

No geral, eles oferecem excelente estabilidade oxidativa e térmica, o que é particularmente importante para aplicações de alta temperatura. Índices de viscosidade relativamente altos facilitam a inicialização em baixa temperatura e ajudam a manter a viscosidade aceitável em uma ampla faixa de temperatura.

Os aditivos que atuam como inibidores de corrosão são:

  • Derivados de aminoácidos.
  • Compostos alcalinos;
  • Ácidos orgânicos;
  • Ésteres;

Os óleos protetivos PAG são altamente estáveis, mesmo em altas temperaturas sustentadas e, portanto, têm tendências de formação de depósitos muito baixas. E o mais importante, quaisquer produtos de decomposição que possam se formar tendem a ser solúveis no óleo protetivo e, portanto, não tendem a se separar como lama ou contribuir para a formação de verniz ou laca. 

Da mesma forma, por causa de seu contato próximo, é importante selecionar óleos protetivos que sejam compatíveis com o elastômero e revestimentos usados ​​nas partes úmidas do compressor.

Minimizar o transporte de lubrificante para os fluxos de descarga é importante para qualquer compressor, particularmente para compressores de parafuso e compressores alternativos. 

Em geral, os óleos protetivos podem ser utilizados em uma ampla gama de maquinários, dependendo assim da viscosidade e do tipo de material que ele vai ser aplicado, mas que após uma análise com certeza você vai escolher o tipo de óleo protetivo correto e acertar em cheio.

 

Compartilhe este artigo
Leia Mais:  Eletroerosão, como funciona e quais são as vantagens


Deixe uma resposta